Atendimento à Fiscalização – Cuidados e Procedimentos

Atendimento à Fiscalização – Cuidados e Procedimentos

Compartilhar:

Durante uma fiscalização tributária, intima-se o contribuinte para que preste informações ao Fisco. 

Em muitas hipóteses, porém, a prestação de tais informações pode se traduzir como que na “confissão” ou na entrega de documentos comprovadores da prática de crime contra a ordem tributária. 

O contribuinte não é obrigado, no âmbito de um procedimento administrativo, a fornecer informações que possam gerar provas contra si. 

Deve o contribuinte exigir, no ato, o Mandado de Procedimento Fiscal. Este deverá ser obrigatoriamente apresentado pelos fiscais da Receita Federal ou do INSS.

Ao receber um Mandado de Procedimento Fiscal a pessoa física ou jurídica deverá verificar a autenticidade do mesmo com a utilização do programa Consulta Mandado de Procedimento Fiscal, disponível na página da Secretaria da Receita federal na Internet, onde deverão ser informados o número do CNPJ ou CPF, conforme o caso, e a senha constante do Mandado.

Na prática há um atrito de interesses em jogo: o fisco quer encontrar irregularidades e jamais assinar um atestado de idoneidade em favor do contribuinte. O contribuinte, por sua vez,  sabe que qualquer irregularidade, mesmo involuntária, representará ônus para a empresa.

Parece impossível um ambiente amistoso, onde se digladiam interesses tão conflitantes, só será possível desde que haja um tratamento equilibrado das partes, evitando abusos de ambas as partes, observado pelo cumprimento dos princípios legais (Princípios Constitucionais, do Direito).

COMO ATENDER A FISCALIZAÇÃO:

A pessoa que atender o fiscal deve ser:

– Conhecedor da empresa;

– Sabedor das contingências tributárias existentes na empresa;

– Responsável pelo atendimento ao fiscal;

– Conhecedor do Processo Administrativo Fiscal;

– Características: formação superior (Contabilidade, Direito, Administração, Economia); bom relacionamento; falar menos que o necessário, não pode ser de comando; equilibrado (jamais pode ser “estourado”).

O profissional que atende à fiscalização deve ser prestativo, considerando a ação fiscalizadora de maneira profissional.

Também precisa estar pronto para dar esclarecimentos, dando equilíbrio no embate entre o fisco e o contribuinte, sem argumentar de forma contundente ou desequilibrada.

Outro detalhe importante é fornecer apenas documentos e informações necessários, em hipótese alguma deve-se “entregar o jogo ao fiscal”, pois descobrir eventuais incorreções tributárias é função da fiscalização.

Todas essas exigências e outras se justificam, pois o Agente Fiscal é um profissional capacitadíssimo, para início de conversa, basta verificar o conteúdo das provas para o ingresso na carreira, são anos de preparo, a seleção (muito concorrida), além da Escola de Treinamento e Atualização.

Em hipótese alguma, o Fiscal pode entrar na empresa, deve sempre aguardar na Portaria, como as demais pessoas que queiram adentrar-se na empresa (a Portaria da empresa serve para identificar as pessoas, é norma interna de qualquer empresa, o fiscal deve aguardar sua vez de ser atendido). 

Esse mesmo procedimento deve ser realizado com a Polícia Militar ou outro órgão público ou privado de fiscalização; a empresa é um local privado, protegido pela Constituição, deve ser invadido somente por determinação judicial, ou no caso de incêndio ou  se alguém está em eminente perigo de vida. 

A fiscalização tem direitos Constitucionais de averiguar o lançamento do tributo, mas dentro das próprias normas Constitucionais e de Direito que vigem em nosso país.

http://www.portaltributario.com.br/artigos/dilema.htm

 

Saiba mais:

ATENDIMENTO A FISCALIZAÇÃO

“Quando o contribuinte é bem orientado na condução do processo de fiscalização, aumentam-se as chances de se evitar a autuação, pois o fisco, de forma mais criteriosa, tem exigido dos contribuintes, por escrito, esclarecimentos quanto às operações fiscais praticadas”.

O processo de fiscalização consiste na atuação da autoridade administrativa competente para verificação do cumprimento das obrigações principais e acessórias dos contribuintes. Através desse procedimento, o fisco verifica eventuais infrações a norma jurídica tributária vigente. É ato administrativo vinculado, isto é, submetem-se aos estritos limites da lei.

Os artigos 194 a 200 do Código Tributário Nacional dispõem de forma genérica sobre a fiscalização, cabendo à legislação tributária de cada ente federativo competente dispor de forma mais especifica sobre tal procedimento.

Atualmente observa-se uma intensificação dos procedimentos de fiscalização. Podemos atribuir esse movimento a dois aspectos:

1) a voracidade arrecadatória estatal para fazer frente aos elevadíssimos gastos públicos e;

2) a informatização dos registros fiscais prestados pelos contribuintes, resultado do advento da Nota Fiscal Eletrônica e do Sistema Público de Escrituração Digital – SPED.

No passado, para que uma empresa fosse fiscalizada, o fiscal tinha que se dirigir até a sede da mesma, entregar o Termo de Início de Ação Fiscal pessoalmente ao contribuinte e se debruçar na documentação física solicitada para averiguar eventuais irregularidades. Tal fato, apesar da proximidade existente entre os agentes fiscais e os contribuintes, configurava-se em um procedimento dispendioso e mais demorado.

Hoje em dia as fiscalizações, em especial no âmbito Estadual e Federal, iniciam-se mediante comunicação eletrônica através de envio do Termo de Início de Ação Fiscal diretamente na caixa postal do contribuinte(1) para ciência. De igual modo as Notificações para apresentação de documentos e informações também são enviadas eletronicamente.

Frise-se que com a informatização dos registros fiscais, os cruzamentos das obrigações prestadas pelos contribuintes facilitou sobremaneira o trabalho do fisco, possibilitando-o analisar mais precisamente as informações e o devido recolhimento dos tributos.

Importante destacar que uma vez iniciado o procedimento fiscal, o contribuinte não goza mais do benefício da denúncia espontânea da infração, que acompanhada da prova do pagamento do tributo e dos juros de mora, exclui sua responsabilidade pela multa. Esse é o teor do artigo 138 do CTN(2).

Outro movimento que se percebe nas fiscalizações atuais é que, além das informações digitais, o Fisco tem exigido dos contribuintes alguns esclarecimentos acerca de determinadas operações, compelindo-o a explicar o porquê as realizou.

Com isso, nota-se que verdadeiramente o atendimento a fiscalização, com este nível de detalhes, se traduz basicamente na antecipação da própria defesa do contribuinte.

A exigência de esclarecimentos aos contribuintes por escrito visa mitigar o risco das autuações por presunção,as quais são ilegais e podem ser revertidas no curso do processo administrativo fiscal, posto que tanto a jurisprudência administrativa quanto judicial não aceita presunção como forma de autuação. Nesse sentido vejamos:

“Indício ou presunção não podem por si só caracterizar o crédito tributário.” (2º Conselho de Contribuintes do Ministério da Fazenda, acórdão 51.841, in “Revista Fiscal” de 1970 , decisão 69);

“Processo Fiscal – Não pode ser instaurado com base em mera presunção. Segurança concedida.” (Tribunal Federal de Recursos, 2ª Turma, Agravo em Mandado de Segurança 65.941, in “Resenha Tributária” 8);

“Qualquer lançamento ou multa, com fundamento apenas em dúvida ou suspeição é nulo, pois não se pode presumir a fraude que, necessariamente, deverá ser demonstrada” (Tribunal Federal de Recursos, Apelação Civil 24.955 em Diário da Justiça da União de 9 de maio de 1969);

“Não merece acolhimento o sistema de levantamento fiscal com ânimo em elementos aprioristicamente fixados pela fiscalização.” (Tribunal de Alçada Civil de S. Paulo, Apelação Civil 57.146, in Revista dos Tribunais, 357/394);

Por outro lado, há também o risco de autuação por arbitramento. Tal situação ocorre quando o sujeito ativo da obrigação tributária entender que as declarações e documentos prestados pelo contribuinte no processo fiscalizatório forem insuficientes ou não mereçam fé, podendo o Fisco arbitrar o valor das operações, isto é, a base de cálculo para a qual incidirá o tributo. Esse é o teor do artigo 148 do CTN(3), situação esta que pode ser deveras onerosa ao contribuinte.

Denota-se daí mais uma vez a importância do bom atendimento a fiscalização, objetivando afastar o lançamento do tributo por arbitramento como elemento de cobrança do crédito tributário.

Nesse sentido, observa-se a importância das consistências das informações fiscais do contribuinte somado as boas e eficientes práticas contábeis atendendo sempre com primazia a norma tributária vigente. Sem dúvida, nesse ponto a contabilidade quando realizada seguindo os princípios e normas legais, estará revestida de total fidedignidade e merecerá fé pública, fato que afastará eventual lançamento por arbitramento.

Notas:

(1) – A Secretaria da Receita Federal do Brasil utiliza o e-CAC (Centro Virtual de Atendimento) e a Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo e a Prefeitura de São Paulo o DEC (Domicílio Eletrônico do Contribuinte).

(2) –  Art. 138. A responsabilidade é excluída pela denúncia espontânea da infração, acompanhada, se for o caso, do pagamento do tributo devido e dos juros de mora, ou do depósito da importância arbitrada pela autoridade administrativa, quando o montante do tributo dependa de apuração. Parágrafo único. Não se considera espontânea a denúncia apresentada após o início de qualquer procedimento administrativo ou medida de fiscalização, relacionados com a infração.

(3) Art. 148. Quando o cálculo do tributo tenha por base, ou tome em consideração, o valor ou o preço de bens, direitos, serviços ou atos jurídicos, a autoridade lançadora, mediante processo regular, arbitrará aquele valor ou preço, sempre que sejam omissos ou não mereçam fé as declarações ou os esclarecimentos prestados, ou os documentos expedidos pelo sujeito passivo ou pelo terceiro legalmente obrigado, ressalvada, em caso de contestação, avaliação contraditória, administrativa ou judicial.

Por: Dr. Luiz Angelo Sabbadin, Contador e Advogado, Diretor Executivo Comercial da Semcon Contabilidade, atua na área do Contencioso Administrativo Tributário e IRPF, Especialista em Direito Tributário pelo Instituto Brasileiro de Estudos Tributários (IBET); Pós-Graduado em Administração de Empresas pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), Conselheiro Membro do Conselho Municipal de Contribuintes de Piracicaba/SP. E-mail: luiz@semcon.com.br

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *